18 de agosto

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais

Sobre a RA

Leia o Regimento Interno das Administrações Regionais do Distrito Federal na íntegra no link a seguir:

Decreto nº 38.094 – Regimento RA's

Atualizado em 30.03.2017.

Fonte: Segeth.

Atualizado em 29.03.2017.

As terras que hoje constituem a Região Administrativa XIV pertenciam, antes da mudança da nova capital, às fazendas Taboquinha, Papuda e Cachoeirinha. Com o início das obras da construção de Brasília, essas fazendas foram desapropriadas e a partir de 1957, nelas se instalaram olarias. Posteriormente, as terras foram arrendadas por meio da Fundação Zoobotânica do DF, com objetivo de atender a demanda da construção civil existente na época. Mesmo com as olarias desativadas, a população permaneceu na área desenvolvendo-se um vilarejo, ao longo do córrego Mata Grande e Ribeirão Santo Antônio, que ficou conhecido como Agrovila São Sebastião. No princípio a Agrovila era habitada por comerciantes de areia, cerâmica e olaria. Com a intensificação da imigração surgiram várias invasões de áreas públicas cujos moradores, posteriormente, foram removidos para a localidade. Até 1993, a Agrovila São Sebastião fazia parte da RA VII – Paranoá, e por meio da Lei no 467/93 foi criada a Região Administrativa São Sebastião. Até 2004 parte do Jardim Botânico fazia parte da região, quando a Lei 3.435 de 31/08/2004 a transformou na Região Administrativa XXVII.

A população urbana de São Sebastião foi estimada, no ano de 2013, em 97.977 habitantes. A maioria da população é constituída por mulheres, 50,39%. Do total de habitantes da RA XIV, 24,88% têm até 14 anos de idade. No grupo de 15 a 59 anos, que concentra a força de trabalho, encontram-se 69,01% do total. A faixa etária de 60 anos ou mais é representada pelo total de 6,11% dos habitantes. Dos residentes na RA, 63,11% declararam ter cor parda/mulata, seguidos pela cor branca, 28,53%. Em menor proporção, estão os de cor preta (8,30%). Nas demais etnias foi detectada somente a amarela com apenas 0,06%. 

Da população total de São Sebastião, destaca-se o elevado percentual daqueles que não estudam, 67,66%. Entre os que estudam (32,64%), 27,13% frequentam a escola pública. Quanto ao nível de escolaridade, 2,07% declararam ser analfabetos. Esse percentual passa para 4,20% quando somado aos que somente sabem ler e escrever e aos que fizeram curso de alfabetização de adultos. A população concentra-se na categoria dos que têm o nível fundamental incompleto (40,43%) e ensino médio completo (19,11%). Vale destacar que 1,97% da população de São Sebastião não teve acesso ou não concluiu o ensino fundamental e o ensino médio em idade apropriada, tendo em vista ter frequentado ou frequentar o Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os que concluíram o curso superior, incluindo especialização, mestrado e doutorado somam 5,99%.

As atividades extracurriculares desenvolvem a socialização, aumentam a autoestima e enriquecem a vida acadêmica e profissional das pessoas. Em São Sebastião, as atividades extracurriculares são pouco observadas, pois 96,64% da população declarou não frequentar nenhum tipo de atividade extracurricular. Dos que fazem cursos de idiomas, o de inglês é o mais procurado, mas apenas com 3,08%. Do total de estudantes de São Sebastião, 80,60% estudam na própria região e 15,60% em Brasília (Plano Piloto). As demais regiões foram menos representativas.

No tocante à ocupação dos moradores de São Sebastião, observa-se que, entre os acima de 10 anos, 54,71% têm atividades remuneradas, enquanto 5,29% estão aposentados. Os desempregados somam 5,42% desta população. No que diz respeito à ocupação remunerada, o Setor Terciário envolve 86,38%, sendo 27,83% no Comércio, 14,22% nos Serviços Gerais, 13,02% nos Serviços Pessoais e 11,83% nos Serviços Domésticos. A Construção Civil responde por 12,66%. Do contingente de trabalhadores, a maioria é constituída por empregados com 64,52%, sendo que 48,15% têm carteira assinada. A categoria por conta própria (autônomo) absorve 25,09% do total da mão de obra. As demais posições são pouco expressivas. (Fonte: PDAD 2013/CODEPLAN).

Horário de funcionamento da Administração Regional de São Sebastião: de 8h às 18h. 

Telefone Geral: (61) 3335-9000

 

Estrutura

 

Decreto n° 32.716, de 1° de janeiro de 2011: Dispõe sobre a estrutura administrativa do Governo do Distrito Federal e dá outras providências. Clique aqui. 

Atualizado em 18.08.2017.

Em construção!

Atualizado em 16.08.2017

 

A Assessoria de Comunicação Social da Administração Regional do São Sebastião (RA-XIV), objetiva preservar e ao mesmo tempo melhorar a imagem institucional da Administração. Também objetiva aprimorar o relacionamento com a sociedade e com a imprensa, além de unificar do discurso com a Secretaria de Estado de Comunicação Social e com as demais assessorias de comunicação dos órgãos de Governo. Por outro lado, estabelece ações que ampliam a divulgação da Gestão para Resultados do Governo do Distrito Federal.

A Ascom tem, entre suas atribuições, divulgar as informações de interesse público e contribuir para a construção de uma comunicação pública eficaz, pautada na atuação social e democrática. Seus eixos de atuação estão focados na transparência, celeridade, presteza e, sobretudo, no interesse social.


É a unidade responsável pela comunicação interna e institucional da Administração, produzindo diariamente boletins informativos e notícias relacionadas à RA-XIV. Busca criar uma cultura de bom relacionamento com os meios de comunicação e, ao mesmo tempo, cultivar um ambiente organizacional sadio e interativo.

Contato:

Chefe da Assessoria de Comunicação Social: Flávia Aleixo de Almeida.

Telefones: (61) 3335-9021

E-mail: ascomsaosebastiao@gmail.com

CASA CIVIL  

COORDENADORIA DAS CIDADES  

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SÃO SEBASTIÃO

TELEFONE GERAL: (61) 3335-9000           

GABINETE

Administrador: Alexley Gonçalves Pires.
Chefe de Gabinete: a definir.

Atualizado em 16.08.2017.

A ocupação da Região Administrativa – RA XIV onde hoje está localizada a cidade de São Sebastião, deu-se a partir de 1957, quando várias olarias aqui se instalaram, objetivando, à época, suprir parte da demanda da construção civil por materiais.
Essas terras posteriormente foram arrendadas por intermédio da Fundação Zoobotânica do Distrito Federal.
À medida em que os contratos iam sendo concluídos, as olarias foram, aos poucos, sendo desativadas.
Na prática, a desativação não significou que o local foi abandonado. Os que aqui permaneceram, formaram um núcleo urbano, que aos poucos foi se estruturando ao longo do córrego Mata Grande e ribeirão Santo Antônio da Papuda.
Os moradores mais antigos asseguram que a área tem ocupação muito mais antiga, de fazendas remanescentes da época dos escravos.
Pode-se encontrar no núcleo antigo restos de construções atribuídas aos escravos e até mesmo uma cruz de madeira onde supostamente estes escravos teriam sido castigados.
O preço baixo da terra, a falta de regularidade do solo e a beleza do local, contribuiram para o crescimento acelerado da cidade.
São Sebastião, com a sua localização privilegiada, que inicialmente atraiu trabalhadores da construção civil e de serviços domésticos, hoje atrai uma população diferenciada.
No dia 25 de junho de 1993, a então Agrovila São Sebastião passou à condição de região administrativa (Lei 467/93). Esta passa a ser, então, a data comemorativa do aniversário da cidade.
Em 1991 a cidade tinha 17.390 habitantes e em 1998 a população estimada já era de 44.235 moradores.
O nome São Sebastião é uma homenagem dada a um dos primeiros comerciantes a chegar na cidade, "seu Sebastião".
Ele se instalou nas terras desapropriadas da fazenda Taboquinha e retirava areia ao longo do rio São Bartolomeu. 
O material era vendido para as construtoras da Companhia Urbanizadora de Brasília (Novacap). Por causa dessa atividade, o pioneiro ficou conhecido como "Tião Areia".
A região que hoje constitui a cidade de São Sebastião, teve suas origens também com as desapropriações das fazendas Papuda, Taboquinha e Cachoeirinha, isto em meados de 1957, mesma época da construção da Capital Federal.
A cidade guarda segredos desde o regime escravagista brasileiro e, segundo a crença dos moradores mais antigos, a ocupação desta área vem desde o período colonial, quando aqui existiam fazendas remanescentes da época dos escravos.
A mais conhecida entre os moradores era chamada sinhá Luzia, ou, simplesmente, a Velha Papuda. Ela era dona de um dos engenhos situado próximo ao Morro da Cruz. Este fato está confirmado por vestígios de construções escravas encontradas na região, como uma cruz de madeira fixada no alto do morro.
São Sebastião está localizada na região sul da área de proteção ambiental do rio São Bartolomeu, há 23 km do Plano Piloto.
A cidade é privilegiada por causa de sua localização, marcada pela beleza de elevações de vales com terrenos ondulados cortados pelos córregos Mata Grande e Ribeirão da Papuda.
Estes córregos possuem grande volume de água por meio de muitas nascentes vindas das encostas dos morros. E por ter um grande potencial hídrico, a atual área urbana seria nos futuros projetos da Caesb, a formação de um lago no rio São Bartolomeu para garantir o abastecimento de água ao Distrito Federal.
Do alto do Morro da Cruz, pode-se ver uma cidade com quase 22 anos de inauguração, mas com décadas de existência, histórias e vitórias.
Embora não se conheçam números oficiais, calcula-se que a população de São Sebastião atinja a marca de 130 mil pessoas, sendo que 47% destas são jovens com menos de 20 anos.
Para que se tenha uma ideia do crescimento populacional da cidade, existem 12 bairros, sendo que o mais recente deles é o Jardins Mangueiral, localizado antes da entrada e que deverá receber aproximadamente 30 mil habitantes quando estiver totalmente entregue.
Os outros bairros que compõem São Sebastião são: Setor Tradicional, Centro, João Cândido, Morro do Preá, São Bartolomeu, Vila Nova, Vila do Boa, São José, Nova Betânia, Bela Vista, São Francisco, Bonsucesso e Residencial Oeste.
Dois outros bairros ainda necessitam ser criados oficialmente, embora já existam na prática. São os casos do Residencial Vitória e o Morro da Cruz.
Esta é São Sebastião, uma realidade, um povo. Um progresso que vem a passos largos, apesar da sua pouca idade. Um jeito de ver e de se viver!

Flávia Aleixo de Almeida

Chefe da Assessoria de Comunicação

(61) 3335-9021 

ascomsaosebastiao@gmail.com

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros